Morte por covid-19: como ela ocorre?

Autores*: Ingrid Lourenço, Mateus Jorge Nardelli, Gabriella Yuka Shiomatsu, Vitor Yukio Ninomiya, Ricardo Tadeu de Carvalho.

A primeira morte confirmada por covid-19 em Minas Gerais ocorreu no final de março de 2020. Embora a maioria dos casos de covid-19 seja leve ou moderado, muitas pessoas apresentam a doença grave (Síndrome Respiratória Aguda Grave), que pode levar à morte. Apesar de isso ocorrer em apenas 2,1% dos casos em Minas Gerais, de acordo com o Informe Epidemiológico do dia 27 de julho, já é o suficiente para causar um grande impacto na população caso as medidas de prevenção não sejam tomadas.

Entenda a seguir o que acontece no nosso corpo e como a covid-19 pode levar à morte.

Como o novo coronavírus age no organismo?

Antes de mais nada, é necessário entender como o novo coronavírus — SARS-CoV-2 — causa a covid-19. Esse vírus acomete principalmente as vias respiratórias: o nariz, boca, garganta, traqueia e/ou pulmões. 

Para contaminar uma pessoa, o coronavírus precisa passar por algumas etapas:

  • contato com o vírus, por exemplo, por meio de gotículas diretamente (conversando com alguém doente) ou indiretamente (por objetos compartilhados como maçanetas);
  • ao chegar nas vias aéreas o coronavírus se encaixa em receptores da célula humana para infectá-la;
  • o vírus usará a célula que infectou para produzir outros vírus até que a célula infectada morra e os novos vírus sejam liberados para contaminar outras células, repetindo esse ciclo; 
  • o nosso organismo tentará, então, interromper esse ciclo ativando o sistema imune — é nessa etapa que os sintomas podem surgir.

Qual o mecanismo de morte pela covid-19?

Em resposta à infecção, nosso organismo tenta se defender. Esse mecanismo de defesa é a inflamação, que acontece por meio da produção de substâncias chamadas citocinas pró-inflamatórias, que estimulam as células da imunidade a combaterem toda infecção.

É importante entender que os sintomas que as doenças causam são, na verdade, efeitos colaterais da inflamação que nosso próprio sistema imune produz contra a infecção. Contudo, o descontrole dessa resposta inflamatória pode gerar sintomas graves que podem ameaçar a vida.

Considerando uma pessoa jovem ou adulta sem outras doenças, essa resposta inflamatória na maioria dos casos é satisfatória, ou seja, acontece sem trazer prejuízos para o doente e a pessoa se cura após apresentados sintomas leves, semelhantes aos de uma gripe. 

Porém, em até 10% dos doentes, a resposta inflamatória pode não ser tolerada pelo organismo e leva a quadros graves. Essas pessoas, de forma  geral, fazem parte de grupos de risco, como idosos, portadores de doença cardíaca, pulmonar, neurológica, imunossuprimidos, entre outros. Mas atenção: mesmo que seja mais raro, a covid-19 grave também pode acontecer em jovens e adultos saudáveis.

Tempestade de citocinas inflamatórias: é o nome dado para o fenômeno da estimulação exagerada das células imunes. Essa hiper-inflamação faz com que a defesa imune deixe de ser algo positivo e traga mais danos do que benefícios ao doente.

 

Observou-se que os casos graves de covid-19 apresentam elevados níveis de citocinas pró-inflamatórias, sinalizando uma tempestade inflamatória.

Por conta dessa estimulação exagerada, as células que deveriam atacar o vírus passam a trazer danos para células saudáveis do pulmão e isso faz com que a pessoa tenha dificuldade de respirar.

Tela de monitor de multiparâmetros de sinais vitais onde é possível ver um manequim utilizado para treinamento de intubação, um dos meios de evitar a morte por covid-19.

Foto por Tim Cooper no Unsplash

Para nos mantermos vivos, precisamos de oxigênio!

Os pulmões captam o oxigênio do ar, levando-o para o sangue. Quando o pulmão está lesionado, o doente tem dificuldade de oxigenar o sangue e pode precisar de ajuda médica para respirar! 

Para isso, o doente pode chegar a ser intubado e respirar com ajuda de um ventilador mecânico (o famoso respirador). Ainda assim, a ventilação mecânica pode não ser suficiente e o paciente pode falecer por insuficiência respiratória.

 

Além de acometer o pulmão, essa tempestade inflamatória pode levar a hiper-inflamação para outros órgãos mais distantes, como coração, rins e fígado, causando um estado de resposta inflamatória generalizada. O resultado pode ser fatal, levando a morte por falência múltipla de órgãos.

Túmulo com flores em cima.

Foto por Mayron Oliveira no Unsplash

É por isso que pessoas que já tem doenças cardíacas, pulmonares e do fígado são consideradas grupo de risco! Se elas já apresentam acometimento desses órgãos, eles são menos resistentes às várias respostas geradas pela inflamação.

Notificação de casos e declaração de óbito

A notificação de casos acontece por meio de um sistema on-line em que os profissionais de saúde enviam novos casos confirmados de covid-19 por meio de testes laboratoriais ou altamente suspeitos para investigação epidemiológica. 

A declaração de óbito é o meio de conhecermos o número de mortes devido a covid-19, por isso seu preenchimento correto é imprescindível e é de responsabilidade médica. 

A declaração de óbito é um documento que deve ser preenchido pelo médico. Ele compreende a causa da morte e seus dados são utilizados para se conhecer a frequência de determinadas doenças fatais.

 

Quando um paciente morre e tem teste confirmado para covid-19, a declaração de óbito acusa que covid-19 foi a causa da morte do paciente.

Caso não tenha teste confirmatório, mas há suspeita, o médico irá relatar uma Síndrome Respiratória Aguda Grave (ou Síndrome da Angústia Respiratória Aguda ou insuficiência respiratória) como causa básica do óbito e inserir como causa a suspeita de covid-19.

Se o doente tinha o diagnóstico de covid-19, mas morreu por outra causa (como por exemplo acidente de carro), ela não entrará para os dados de morte por covid-19.

Médico preenchendo uma declaração de óbito por covid-19.

Foto de Cytonn Photography no Pexels

Compreendendo melhor como a covid-19 pode levar à morte, é possível entender a importância de se prevenir e, mais importante ainda, proteger as pessoas que estão em grupo de risco para a doença na forma mais grave. 

As complicações como insuficiência respiratória e falência múltipla de órgãos são bem impactantes e requerem muito esforço da equipe responsável, além de equipamentos e medicamentos. Então, proteja-se para prevenir a sua infecção e a de outras pessoas! A morte por covid-19 de muitas pessoas pode ser evitada se você seguir as recomendações de distanciamento social e de proteção com máscaras e práticas de higiene.

Quer saber mais sobre coronavírus? Siga a SES-MG no Instagram, no Facebook e no Twitter.

*Este post foi escrito pelos alunos da Faculdade de Medicina da UFMG pela parceria da SES-MG com o projeto Adote sua Vizinhança em Tempos de covid-19.

Este texto foi redigido conforme as evidências disponíveis até 24/07/2020.

© 2020 SES - Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Desenvolvido pela Assessoria de Comunicação Social.