A "imunidade de rebanho" é eficaz no combate ao coronavírus?

Autores*: Clara Lopes Machado, Vitor Yukio Ninomiya, Gabriella Yuka Shiomatsu, Ricardo Tadeu de Carvalho.

A imunidade de rebanho é um conceito já muito bem conhecido pelos cientistas. Com a pandemia causada pela covid-19, tornou-se fundamental que tenhamos conhecimento dos termos acerca de um de seus principais temas: a prevenção.

Dentre eles, está a imunidade de rebanho, muito falada nos noticiários e nas pesquisas científicas. Mas o que sabemos sobre seu papel na prevenção da covid-19? 

 

Você sabe o que é a imunidade de rebanho?

A “imunidade de rebanho” faz referência a uma técnica de imunização em que uma determinada parcela da população se torna imune a uma doença, ou seja, desenvolvem anticorpos contra o agente causador da doença. As pessoas imunizadas acabam agindo como uma barreira, protegendo toda a população, mesmo aqueles que ainda não são imunes.

A imunidade de rebanho envolve a imunização de uma grande parte da população para que todas as pessoas se tornem protegidas.

Para ilustrar de forma prática, vamos relembrar um dos exemplos clássicos de imunidade de rebanho alcançada por meio da vacina: sarampo e poliomielite. Nesse exemplo, a vacinação de 95% da população foi a medida responsável pela proteção de toda a população. Assim, como ainda não temos uma vacina contra o novo coronavírus, pergunta-se: seria possível conseguir a imunidade de rebanho para a covid-19?

Como atingir a imunidade de rebanho?

Assim como em qualquer doença infecciosa, a imunidade de rebanho para o coronavírus pode, em teoria, acontecer de duas formas

  1. por meio da vacina; ou 
  2. naturalmente, quando uma grande parte da população é infectada e se torna imune. 

 A busca pela vacina contra a covid-19 continua. Seu desenvolvimento vai permitir a imunidade de rebanho vacinal. Até lá, as medidas de prevenção devem continuar!

Photo by cottonbro from Pexels

Porém, estima-se que cerca de 70% da população precisaria se recuperar efetivamente da infecção pelo coronavírus para a imunidade de rebanho acontecer naturalmente. Assim, para se chegar a esse número, o cenário pode ser catastrófico, já que um número assustador de mortes ocorreria antes desse tipo de imunização ser considerada eficaz. Somente em Minas Gerais, por exemplo, esse número poderia chegar a 150 mil vidas perdidas

Entendendo as notícias….

Além disso, ainda não está esclarecido se o contato com o novo coronavírus traz uma imunidade duradoura. Apesar do nosso sistema imune produzir anticorpos para nos defender contra vírus e bactérias, pouco se sabe, ainda, sobre o papel dos anticorpos frente ao vírus da atual pandemia. 

Faltam informações que comprovem se todos os pacientes infectados são capazes de desenvolver anticorpos, bem como se os anticorpos produzidos após a infecção realmente protegem as pessoas de serem reinfectadas.

Procurando avaliar esses dados, um estudo publicado na revista The Lancet avaliou 61.075 pessoas em cidades da Espanha, um dos países europeus mais afetados pela pandemia, para estimar quantas dessas pessoas possuíam anticorpos contra o coronavírus. Apenas cerca de 5% dessas pessoas apresentavam o anticorpo, o que poderia indicar que 95% da população estudada ainda poderia contrair a doença em uma possível segunda onda da epidemia. Outros estudos vêm mostrando, entretanto, que a imunidade ao novo coronavírus pode ocorrer por meio de outro componente do nosso sistema imune: as células T

Há, ainda, muito para se discutir sobre as implicações desses achados, mas o que se pode dizer é que as medidas atuais de prevenção ainda são indispensáveis para evitarmos um pico de casos que sobrecarregue o sistema de saúde e resulte em aumento de mortes.

A imunidade de rebanho é, portanto, já bem conhecida pelos cientistas e pode ser atingida de duas formas. O número de mortes causadas pela covid-19 faz com que pesquisadores acreditem que a imunidade de rebanho para o novo coronavírus deve ser vacinal, e não pelo contato direto com a doença. Além disso, ainda é preciso entender como o nosso sistema imune responde à presença desse vírus no organismo.

A imunidade de rebanho para a covid-19 aguarda o desenvolvimento da vacina. Enquanto isso, as medidas preventivas como o distanciamento social e o uso de máscaras seguem como recomendação.

Assim, manter o distanciamento social, o isolamento doméstico, o uso de máscaras e a higienização das mãos e de superfícies seguem como as principais recomendações até que uma vacina esteja disponível para alcançarmos a imunidade de rebanho de forma segura!

 

Quer saber mais sobre coronavírus? Siga a SES-MG no Instagram, no Facebook e no Twitter.

*Este post foi escrito pelos alunos da Faculdade de Medicina da UFMG pela parceria da SES-MG com o projeto Adote sua Vizinhança em Tempos de covid-19.

Este texto foi redigido conforme as evidências disponíveis até 30/07/2020.

© 2020 SES - Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Desenvolvido pela Assessoria de Comunicação Social.